Rotina

fevereiro 18, 2011 at 1:25 am (Neutra)

Me deu vontade de voltar um pouco com o tipo de poema.
Tem alguma coisa errada…

-(—- Rotina

Passam os dias
Corre o tempo
Tic tac
Pensamento

Olho o céu
Vejo a TV
Click Click
Que deprê

Atento a aula
Sono desdenho
Risc risc
Só desenho

Me faço andar
Sigo a pista
Arf arf
Que preguiça

Desperto canso
Devo ir
Ronc ronc
Vou dormir

—-)-

Musa. DCLXVI

Link permanente Deixe um comentário

Liberdade

fevereiro 6, 2011 at 11:24 pm (Positiva, Reflexiva)

Que fim de semana mais relaxante! Amanhã aula de leve pra lembrar porque sempre quero férias e pra mandar meus amigos tomarem no cu.

-(—- Liberdade

Esse é bem o tipo de noite que gosto
Boas companhias, não ostentei vício algum
Exceto pelo céu, que ainda me embreaga só de mostrar a lua

Queria matar uma saudade
Talvez duas ou três
Mas o poder fazê-lo ou não me fez sentir livre
Desocupado, inocente e desinteressado

Peguei meu netbook e uma dose de cachaça
Continuei minha noite na cama
Refletindo o quão longe um combustível pode te levar
Sem ao menos te tirar fisicamente do lugar

A gente cresce e corrompe nossa imaginação
Põe-se em um mundo de pessimismo ao invés de sempre matar o dragão
Voamos longe, onde a razão é quase inóspita
Pra descobrirmos que, no final, não foi tão difícil assim

A gente só repara que está preso
Nem percebe que a chave está ao alcance
Todas as nossas barreiras são psicológicas
Inclusive os tabus do amor e liberdade

—-)-

Musa. DCLXVI

Link permanente Deixe um comentário

Blackout

fevereiro 5, 2011 at 5:39 am (Neutra, Reflexiva)

Show bom hoje. Curti.

-(—- Blackout

O tempo não pára, dizia Cazuza
Foi pensando nisso que parei sozinho e olhei para os lados
Estava tudo escuro, postes com lâmpadas queimadas
Uma excitação quase medo

Corri para a lua, a mais próxima
Ainda sim não via alvorada
Me sentei e comecei a ponderar futilidades
Imaginei as ondas do mar quebrando em mim

Então levantei e continuei minha vida
Letras e palavras perambulando minha cabeça
Fraquejei ao reparar que não sei me perdoar
Como sou quase indiferente ao fazer para outrem

Ainda tenho forças pra me erguer e seguir
Pois tenho duas mãos quais posso juntar e orar
Só não consigo ter fé e acreditar que Ele me ouviria

—-)-

Musa. DCLXVI

Link permanente Deixe um comentário

Histórico

fevereiro 3, 2011 at 5:58 pm (Negativa, Reflexiva)

Rimar me dá uma preguiça tão grande agora xD

-(—- Histórico

Você está diferente
É, acho que ficamos velhos
Quase 5 anos, certo?
Ainda não consigo lidar com a culpa de ter te repelido

Sei que não te apontei uma arma
Ou ameacei estrangular
Foi pior, muito pior
Apaguei a estrela mais brilhante no céu
E sabia que você a amava

Meu reflexo não quer mais me encarar
Eu queria me jogar por aí, como fiz nos últimos anos
Me afogar em más lembranças
Tentar sofrer o tanto que merecia

Não sei bem se isso é me tratar
Estou em constante quimioterapia
A sensação de tentar não é suficiente, não faz voltar
Mas a mágoa e arrependimento voltam
Tudo que eu já fiz de ruim sempre volta

—-)-

Musa. DCLXVI

Link permanente Deixe um comentário