Soco

novembro 20, 2011 at 12:04 pm (Uncategorized)

Das poucas que gosto.

-(—- Soco

Convido-lhe a um cigarro
Degenerar sem entorpecer
Às vezes só um banho frio
De palavras, de ideias
Pra acordar e amanhecer

Diz-se fluxo voluntário
Partindo de mim, claro
Como se esse mundo fosse sensível
Gelado e irremediável
E cada defeito o tornasse mais caro

Faço dívidas ao abrir os olhos
Observar um rubi sedutor
Com a ganância e o egoísmo
Que levam o mais corajoso dos homens
A perder seu valor

Ao encontrar-me sozinho
Pálpebras me fornecem escuridão
Coração quebra-se num estalo
E transborda pelos olhos
Como chuva de verão

Estou enojando de me amar
Quem diabos penso que sou?
Julgo, falo, fumo, passo
Penso e finjo ser mentira
Confiança que queimou

Em segredo eu confesso
Posso dizer isso do que é meu
Nunca vou deixar de achar
Que os amigos mais íntimos
São melhores que eu

—-)-

Musa. DCLXVI

Link permanente Deixe um comentário

Indiferença

novembro 16, 2011 at 4:39 pm (Neutra)

Cada centímetro entrando em obsessão e fúria. Saudade de me afogar em joguinhos.

-(—- Indiferença

Sento-me em um sofá confortável
Reclina-se como me esparramo
Gosto disso
Diga-se de passagem que é afável

Lanço-me em dias por pensamentos
Isso é real?
Não sei onde entra o sonho
Onde entram esclarecimentos

Levanto-me só
A sombra que esconde meus medos
Desolado, página destacada do livro
Rascunho cheio de pó

Falo incertezas para reprimir
Vulgo desabafar ou aliviar
Nada mais que palavras ao vento
Tudo que não queria ouvir

Descrevo-me ao escrever-te
Amostra do ódio de mim mesmo
Visto que sinto um amor definido
Pela maior indiferença de ti

—-)-

Musa. DCLXVI

Link permanente Deixe um comentário

Trilha

novembro 12, 2011 at 9:29 am (Neutra)

Sem curvas, sem voltas, sem paradas.
Em frente, sempre em frente.

-(—- Trilha

Realidade alternativa
Ídolos e heróis
Craques e heroínas
Abstinência da vida em louvor?
Sem cigarro e jogatina
Como se um dia fosse tudo ideal
Conheceu o alívio e a dor
Sentiu-se incoerente,
Mas não aos próprios olhos,
E continuou seguindo em frente

—-)-

Musa. DCLXVI

Link permanente Deixe um comentário

Lapso

novembro 10, 2011 at 2:26 am (Uncategorized)

A separação, a lembrança, a razão, a cicatriz, a ilusão.

-(—- Lapso

Sem apoio, mas seguindo em frente
Olhar pra trás nunca foi uma opção
Este simples lapso temporal
Overdose de razão

Não mais são os fragmentos
Das marcas mais profundas que me fizeste
Soco na cara da minha timidez
Até que nada mais me reste

Para não deixar de ser eu mesmo
Para nunca esquecer o ardor
O destino nos toma como mártires
Mas só escolhe quem aguenta a dor

—-)-

Musa. DCLXVI

Link permanente Deixe um comentário

Esquizofrenia

novembro 2, 2011 at 6:04 am (Neutra)

Y U NO READ THIS?

-(—- Esquizofrenia

Como está fria esta alma
Um ruído que nunca tinha ouvido antes
Esquizofrenia
Simplesmente conversar com eles

Agora eu apreciaria um abraço
E uma mesa pra apoiar meu copo
Meu corpo?
Mera ilusão do meu cérebro

Dançando em uma luta
A água me cerca em tsunami
Ilha que olha ao redor
Desconfia até das ondas

Hipnotismo para me sedar
Quando eu acordar
Uma peruca para que eu possa encenar
Quando eu acordar…

Vou brindar a esta noite
A cada dose que bebi por mil amores
A cada cigarro que fumei por mil arrependimentos
A cada palavra que agonizei por me calar

—-)-

Musa. DCLXVI

Link permanente Deixe um comentário